EM CARAÚBAS DEPOIS QUE DESTRUÍRAM CAIC, O QUE PODE SER FEITO NO TERRENO?


Em uma visita onde era pra ser a primeira grande obra de Caraúbas conhecida como CAIC. Podemos confirmar o quanto a politicagem sebosa pode causar um efeito irreversível. 


Exemplo disso é o CAIC, que foi completamente destruído a anos atrás. Não estamos aqui querendo saber quem foi o responsável por isso porem todos sabem de quem é a culpa.

A culpa é do poder público que nada fez, afim de impedir a completa destruição de um patrimônio público e de uma obra grandiosa como era o CAIC.

A culpa é da própria população que viu calada cada marretada, cada pedaço de ferro tirado dali, cada comprador do material que pouco a pouco no dia dia foi sendo retirado e para outros meios.

A culpa da destruição do CAIC pode ser dividida meio a meio.

A Culpa é dos políticos caraubense seja ele quem for no caso aqui referente a época da destruição CAIC.

A culpa do moradores que não denunciaram nem fizeram nada absolutamente nada. Que preferem fazer um comentário do vizinho sobre uma coisa qualquer, mas que não querem defender e brigar por seus direitos em comum.

O CAIC poderia ter outro fim, e não um monte de escombro como pode ser visto por nossa reportagem do RADAR 293 que esteve no local.

A população do Bairro Leandro Bezerra quanto toda população de Caraúbas tem um pouco de responsabilidade sobre o ato de irresponsabilidade de quem de fato ajudou a destruir o CAIC.

Ali poderia ser uma escola de tempo integral, uma universidade, um posto de polícia, um posto de saúde, uma área de entretenimento ou seja poderia ser tudo menos o nada como se tornou hoje.

Infelizmente como foi dito numa postagem aqui neste blog, Caraúbas esta dividida por conta de uma politicagem sebosa.

A anos, essa politicagem dividiu os grupos políticos que nada fizerem para que o CAIC não fosse destruído.

A pergunta que não quer calar o que pode ser feito no terreno cheio de matos e escombros onde ERA  o CAIC?


Gilson de Souza do RADAR 293
















Tecnologia do Blogger.