Após reforma, sindicatos e centrais começam a demitir







O fim da contribuição sindical obrigatória, extinta com a reforma trabalhista, forçou centrais e sindicatos a se adaptarem aos novos tempos de vacas mais magras. Eles têm demitido, vendido ativos e organizado planos de demissão voluntária (PDV) para se adequar a uma perda estimada em um terço da receita.
Até 2018, 100 mil trabalhadores diretos e indiretos devem ser afetados, estima o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE). A estrutura sindical reúne cerca de 300 mil trabalhadores em todo o país, segundo o Dieese.
Desse total, 115 mil são funcionários diretos e o restante presta serviços às entidades.
Os cortes devem ser diluídos no próximo mês e ao longo do ano que vem. Mas eles já começaram.
PDV
As principais centrais apoiam um projeto de lei que regulariza a contribuição negocial em substituição ao imposto sindical. Elas também sentem o fim do recurso obrigatório. A Central Única dos Trabalhadores (CUT) organiza um Programa de Demissão Voluntária (PDV) e a União Geral dos Trabalhadores (UGT) demitiu funcionários e vai para uma sede menor.
O Sindicato dos Comerciários de São Paulo, que tinha 600 empregados, organizou há dois meses um PDV, que teve adesão de 67 deles. Mas isso não evitou outras 35 demissões.
Já a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), que tem 34 funcionários na sua sede nacional, não planeja lançar um plano de demissão voluntária, segundo o presidente da central, Adilson Araújo. “Se tivermos de fazer um ou outro ajuste, será feito”, diz.
O Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo (Sintracon-SP), por exemplo, viu seu número de associados desabar com a perda de postos da construção na crise. A entidade tinha 230 funcionários no início do ano. Agora, são 158. Começou a se ajustar.
Saiba mais clicando AQUI.
Tecnologia do Blogger.