Após dois meses de espera, corpo de Iasmim Lorena é enterrado em Natal

O corpo da menina de 12 anos, Iasmim Lorena, foi liberado nesta terça-feira, 19, após 56 dias que foi encontrado em uma casa na rua onde a menina morava, na comunidade da África, Zona Norte de Natal. Um exame de DNA confirmou que o corpo encontrado era de Iasmim. Um vizinho foi preso e confessou o crime.
De acordo com o diretor do Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep), Marcos Brandão, o avançado estado de decomposição do corpo dificultou a identificação da vítima. Sendo assim, foi decidido que amostras do DNA seriam levadas ao laboratório do Cerá para a identificação humana. O laudo que confirmou a idade do corpo saiu no final da semana passada. A primeira tentativa de exame de DNA não foi conclusiva, outra tentativa foi realizada, e somente na terceira realizada foi possível identificar o cadáver.
A família foi ao Itep liberar o corpo nesta terça-feira, e o sepultamento foi realizado por volta das 11h em um cemitério na Redinha.
O caso
Iasmin foi vista pela última vez no dia 28 de março, quando saiu de casa, na comunidade da África, na Zona Norte de Natal. Sua mãe teria pedido que a filha entregasse um valor em dinheiro para uma vizinha, porém, a adolescente nunca chegou sequer ao seu destino.
Após receber denúncia, a Polícia Civil e Corpo de Bombeiros encontraram no dia 24 de abril em um imóvel em construção, na rua José Acácio de Macedo, na Redinha, na zona Norte de Natal um corpo que poderia ser da estudante Iasmin Lorena, de 12 anos.

 Polícia encontrou o corpo em uma casa em construção. Foto: José Aldenir/ Agora Imagens
No dia 26 de abril o pedreiro Marcondes Gomes da Silva, de 45 anos, foi preso. Em depoimento ele confessou que matou Iasmin Lorena de Araújo, de 12 anos. O homem disse que encontrou Iasmin na casa em que trabalhava, onde teriam iniciado uma conversa. Segundo Marcondes, os dois chegaram a trocar beijos e ele tentou manter relações com a criança que, assustada, se negou e tentou fugir. O homem afirma ter a contido e asfixiado, cavando o buraco e a enterrando em seguida. De acordo com o depoimento, não teria acontecido abuso sexual nem antes ou depois da morte da menina.



Marcondes, o pedreiro, confessou assassinato – Foto: José Aldenir/ Agora Imagens

Agora RN
Tecnologia do Blogger.