Ataque a carro-forte na UEPB deixa 16 feridos. Veja imagens do terror

Cenas gravadas por estudantes mostram os momentos de terror vividos pela classe estudantil na manhã desta segunda-feira (1º), na Central de Aulas da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), no bairro de Bodocongó, em Campina Grande, quando bandidos roubaram um malote de dinheiro de um carro-forte que abastecia um banco no local.  Quatorze pessoas ficaram feridas na correria. Outras duas, um vigilante e uma aluna, foram atingidos por disparos de arma de fogo, totalizando assim dezesseis vítimas. A dupla alvejada já recebeu alta do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande.As outras quatorze pessoas que se feriram por causa da correria no momento do tiroteio entre vigilantes e bandidos foram atendidas na unidade hospitalar. Seis deles estão em observação na Área Verde, quatro estão internados na Área Amarela e quatro receberam alta. Alguns dos feridos chegaram a pular do primeiro andar por causa do desespero. No momento da ação criminosa, cerca de 8 mil pessoas estavam na Central de Aulas, entre técnicos, alunos e professores, segundo informou a UEPB.

Assaltante estava trocando tiros com os vigilantes. Foto: Reprodução/ Internet
A Central de Aulas tem 140 salas, divididas em cinco blocos. Ainda de acordo a UEPB, os caixas da instituição são abastecidos de segunda a sexta-feira às 10h, tendo o dinheiro recolhido às 15h, já como forma de tentar evitar ações de explosões de caixa eletrônico. O reitor da instituição, Rangel Júnior, declarou que vai pedir a retirada dos bancos.
Os bandidos aproveitaram que o fluxo de pessoas é muito grande na universidade e já estavam no local só esperando os carros-fortes. Um dos criminosos, inclusive, escondeu a sua arma de grande calibre em um estojo de violão. Uma foto tirada por uma professora mostra o momento em que o assaltante se esconde atrás de uma pilastra com arma em punho.
Ao escutarem os tiros, as pessoas que estavam dentro das salas colocaram as cadeiras e mesas trancando as portas e se jogaram no chão. “A gente pensava que era uma pessoa repetindo a tragédia de Suzano. Foi um grande desespero. Nos jogamos no chão e tinha muitas meninas chorando”, comentou uma das aluna que não quis se identificar.
A repórter Zenaide Ferreira, da TV Borborema, emissora do Sistema Opinião, chegou na Central de Aulas minutos após o assalto. A cena de terror chocou a profissional. “Eu nunca vi algo parecido aqui na região. Quando entrei tinha uma menina caída e se debatendo muito. Os atendentes disseram que ela estava com um surto epilético causado pelo medo sofrido. Graças a Deus que ela se recuperou”, comentou Zenaide.
Diante da gravidades dos fatos, a reitoria da Universidade Estadual da Paraíba informou que não haverá mais expediente nesta segunda-feira (1º). A Polícia Militar segue realizando rondas na região, mas não conseguiu prender nenhuma assaltante envolvido no crime realizado no bairro de Bodocongó
Tecnologia do Blogger.