Acusado de estuprar e jogar corpo de criança em barragem é julgado

Após quatro anos do crime bárbaro que vitimou João Paulo Gomes, de seis anos, o principal acusado, Antônio Abílio dos Santos, é levado a Júri Popular. Ele foi denunciado por estupro seguido de morte, ocorrido no dia 7 de janeiro de 2015, em Inhapi, no Sertão de Alagoas. A sessão, conduzida pelo juiz Vinícius Garcia, começou às 11h desta segunda-feira (19) e deve seguir durante à tarde.

Julgamento ocorre na comarca de Mata Grande. Foto: Caio Loureiro/ TJ-AL
Segundo informações que constam nos autos, no dia do crime a criança estava em companhia de sua tia, Josélia Gerusa Gomes. Ela teria pedido para que um sobrinho, menor de idade, levasse o menino para casa. O sobrinho estava acompanhado por um colega, também adolescente. Entretanto, em vez de levar a criança para a casa, eles seguiram para um barragem na zona rural de Inhapi.
Na barragem se encontrava o acusado, Antônio Abílio. De acordo com a denúncia, na presença dos adolescentes, ele teria tirado a roupa da criança e praticado violência sexual contra ela. Nos autos, há informações de que João Paulo tentou correr por diversas vezes de seus algozes, mas foi impedido e acabou ficando inconsciente. De acordo com a denúncia, para não serem descobertos, os adolescentes e o réu jogaram o corpo do menino na barragem. A morte foi causada por asfixia, devido ao afogamento.
A tia do menino chegou a ser presa, mas foi solta em seguida, porque não havia provas de que ela tinha intenção no crime. Já Antônio Abílio foi preso em flagrante. Em depoimento à polícia, ele negou ter cometido o assassinato. De acordo com os autos, nas horas que sucederam o desaparecimento da criança, o acusado ajudou familiares e a população a procurar o corpo da criança.
Quando foi preso preventivamente, o acusado chegou a ser agredido por colegas de cela, que sabiam do que crime que estava sendo apontado contra ele. Os presos chegaram a atear fogo em Abílio que teria ficado com 50% do corpo queimado e foi socorrido pelos agentes de polícia para um hospital.
Tecnologia do Blogger.