Léo Pinheiro, da OAS, diz que pagava propina a líder do governo no Senado

Líder do Governo na Câmara, o senador Fernando Bezerra (MDB-PE) é investigado pela PF

O ex-presidente da OAS Léo Pinheiro afirmou em delação premiada que o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), recebeu propina da empreiteira em troca de liberação de recursos. Os fatos relatados são da época em que Bezerra Coelho era ministro do Integração Nacional (de 2011 a 2013), no governo Dilma (PT), e por obras do governo de Pernambuco (de 2007 a 2010), comandado então por Eduardo Campos (PSB).

De acordo com a publicação, as declarações de Pinheiro devem servir para complementar as investigações tocadas pela PF (Polícia Federal). O órgão comandado pelo ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) realizou em 19.set.2019 operação de busca e apreensão nos endereços de Bezerra Coelho e de seu filho, o deputado Fernando Coelho Filho (DEM-PE).
Na época da operação da PF, Bezerra Coelho colocou o cargo dele à disposição de Jair Bolsonaro. O presidente disse que não iria fazer mudanças enquanto não houvesse provas concretas contra o senador.
Na delação de Pinheiro, homologada pelo Supremo Tribunal Federal no início do mês, são relatados os seguintes fatos:
  • Jantar com Bezerra – O ex-presidente da OAS disse que se encontrou com Bezerra no início de 2008, em reunião organizada por 1 lobista de Pernambuco, para que fosse apresentado ao seu operador financeiro, o publicitário André Gustavo Vieira;
    • Obras em Pernambuco – À época, Bezerra era secretário de Desenvolvimento Econômico do governo de Pernambuco. Nesse período, a OAS teve diversos contratos de obras no Porto de Suape. Segundo Léo Pinheiro, do valor das obras, 1 percentual de 2% foi repassado a Bezerra em forma de propina por intermédio de André Gustavo.
  • ministro da Integração Nacional – Já na condição de ministro, Pinheiro afirmou que Bezerra recebeu propina da obra do canal do Sertão, feita com recursos do governo de Alagoas e do governo federal. Pinheiro alega que, do valor das obras, 1 percentual de 2% foi repassado para Bezerra e 3% para o então governador alagoano Teotônio Vilela Filho, do PSDB. Os pagamentos ao tucano, segundo Léo Pinheiro, foram feitos por meio de doações oficiais.

Outro lado

Em nota enviada ao O Globo, o advogado André Callegari, que faz a defesa do senador Fernando Bezerra, afirmou que não teve acesso à delação, mas que “conforme jurisprudência já assentada pelo Supremo Tribunal Federal, a palavra do colaborador isoladamente não é apta sequer para receber uma denúncia”. “Ressalta ainda que o senador não foi candidato em 2010 e não teve participação na coordenação da campanha do governador Eduardo Campos à reeleição. O senador confia que a investigação será arquivada”, afirma.
O ex-governador Teotônio Vilela Filho afirmou, em nota, que desconhece a delação e que “nunca recebeu vantagens indevidas, de quem quer que seja, em toda sua vida pública”. Disse ainda que os recursos de campanhas foram declarados à Justiça Eleitoral.
Tecnologia do Blogger.