Justiça decide que filha pode se recusar a cuidar de pai que a abandonou na infância

A 2ª Vara da Família e Sucessões decidiu que uma mulher de São Carlos (SP) pode se recusar a cuidar do pai que a abandonou e agrediu na infância. O homem é dependente permanente das irmãs, entretanto uma delas irá para o exterior e pediu na justiça que a filha do homem se torne responsável.
A mulher que não teve o nome divulgado se negou a cuidar do pai e recebeu apoio jurídico após apresentar um laudo comprovando sofrimento emocional e trauma pelo comportamento agressivo e negligente que o pai teve.
“Assim, ainda que seja filha do curatelado, tal como não se pode obrigar o pai a ser pai, não se pode obrigar o pai a dar carinho, amor e proteção aos filhos, quando estes são menores, não se pode, com a velhice daqueles que não foram pais, obrigar os filhos, agora adultos, a darem aos agora incapacitados amor, carinho e proteção, quando muito, em uma ou em outra situação, o que se pode é obrigar a pagar pensão alimentícia”, disse o juiz Cesar Melluso.
Se fosse você no lugar dela, cuidaria do pai?

Tecnologia do Blogger.