EITA: Vereador e secretários envovidos em grampos ilegais contra adversários políticos

Ethos Online | Projeto prevê uso de grampo telefônico como prova em  processo administrativo
Uma operação da Polícia Civil deflagrada na manhã desta quarta-feira (5) investiga uma suposta organização criminosa por grampo ilegal e clonagem de redes sociais de adversários políticos na região Agreste potiguar. Segundo a corporação, a operação "Araponga" prendeu preventivamente um profissional de tecnologia da informação e cumpriu cinco mandados de busca e apreensão, inclusive contra um vereador e dois secretários municipais de Goianinha.


A ação foi comandada pela 6° Delegacia Regional de Nova Cruz com o apoio da Divisão de Combate ao Crime Organizado (Deicor). Segundo a Polícia Civil, o grupo investigado é apontado como o responsável pela realização de interceptações telefônicas clandestinas e clonagem de redes sociais de autoridades e políticos da região agreste.


Ainda de acordo com os investigadores, durante as apurações realizadas pela 6° Delegacia Regional, foi descoberta uma central de interceptações telefônicas clandestinas que funcionava na praia de Pipa, em Nísia Floresta. De lá, os números de agentes públicos eram interceptados ilegalmente e desviados para um núcleo em Goianinha, onde as informações eram processadas e repassadas para os contratantes dos serviços de espionagem.


Na maioria dos casos,os clientes eram políticos da região Agreste que utilizavam os serviços clandestinos da organização criminosa para obter informações privilegiadas de adversários políticos. Segundo as investigações, esse é o caso dos alvos de mandados de busca e apreensão desta quarta (5), que teriam contratado os serviços para acompanhar os passos e articulações dos adversários políticos e autoridades.


Dentre os alvos da Operação Araponga, um vereador de Goianinha, dois secretários municipais da cidade e um ex-prestador de serviços do Fórum de Goianinha. As identidades dos investigados não foram reveladas porque o processo está em segredo de Justiça.
Tecnologia do Blogger.