A tentativa frustrada de empresários de comprar vacinas




Uma nova tentativa de um grupo de empresários para compra de vacinas com dinheiro privado, iniciada no fim da semana passada, esbarrou na discordância entre as empresas sobre o modelo a ser adotado para distribuição de vacinas. Segundo uma carta que circulou entre líderes associações de diferentes setores, existiria um lote de 33 milhões de vacinas da Oxford/AstraZeneca disponível para compra, da Inglaterra, com a obrigação de compra de pelo menos 11 milhões de doses de uma só vez.


A ideia de comprar vacinas logo se espalhou por grupos de WhatsApp: "Parecia, na sexta-feira, que tinha chance de dar certo", segundo um industrial que conversou com o Estadão. No entanto, a iniciativa esbarrou no formato de distribuição dos imunizantes a serem adquiridos. Enquanto parte do empresariado defendia o uso de 50% dos imunizantes para vacinar funcionários, com a doação da outra metade ao Sistema Único de Saúde (SUS), grandes empresas acreditavam que todo o lote deveria ser destinado ao sistema público.



Essa segunda posição foi defendida justamente por algumas das maiores empresas do País, como o banco Itaú, a Vale e a Petrobrás, informou uma fonte próxima às conversas. Enquanto parte do empresariado acredita que estaria ajudando o governo na imunização ao dar prioridade a seus funcionários, outras companhias são da opinião de que não se deve 'furar a fila' dos grupos de risco determinados pelo Ministério da Saúde: profissionais de saúde, indígenas, quilombolas e idosos.



Com as três gigantes saltando do barco, a compra do lote de milhões de vacinas ficou mais difícil, especialmente diante da exigência de uma cota mínima tão alta. O custo estimado das vacinas, na carta que circulou entre os empresários, seria de US$ 23,79 - preço muito superior aos US$ 5,25 por dose que teriam sido pagos na compra da mesma vacina pelo governo federal pelo lote que chegou ao País na sexta-feira, 22.


Outro ponto que surpreende nesse movimento é a disponibilidade dessa vacina em um momento em que a AstraZeneca é criticada pelo atraso na entrega de lotes prometidos há meses para a União Europeia. A vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford é citada como uma boa opção pelos empresários porque já tem aprovação para uso emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).


Procurada, a mineradora Vale afirmou, em comunicado, que foi convidada a participar da discussão, mas "declinou da iniciativa". "A política da companhia é de doação integral de itens que venham a ser adquiridos para apoiar os esforços oficiais de combate à covid-19. Desde o início da pandemia, a Vale vem oferecendo ajuda humanitária no Brasil e nos países onde está presente." Procurados, Itaú e Petrobrás não quiseram comentar o tema.


Difícil relação


Não é a primeira vez que empresários se mobilizam para comprar imunizantes por conta própria. Até agora, porém, não obtiveram aval do governo para realizar a operação. Em reunião realizada há cerca de duas semanas com os ministérios da Saúde, da Casa Civil e das Comunicações, empresas foram informadas de que o governo realizaria toda a imunização e de que não haveria necessidade de ajuda de empresários. À época, o governo disse que teria doses suficientes para vacinar a população e que a compra por empresas seria proibida.


O Estadão conversou com duas fontes que participaram da reunião e que, no dia, disseram ter saído "mais tranquilos" do encontro. No entanto, com as idas e vindas após a reunião - inclusive com o atraso na liberação da vacina de Oxford pela Índia -, o setor produtivo subiu o tom das críticas de empresários em relação à lentidão da vacinação, criticando a desorganização e os desencontros do Ministério da Saúde e do Palácio do Planalto.

www.terra.com.br

Tecnologia do Blogger.