Rodrigo Pacheco promete Senado independente caso seja eleito



Um dos principais candidatos à presidência do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) afirmou nesse sábado (30.jan.2021) que sua candidatura não coloca em risco a independência da Casa. O senador participou do programa Em Foco, da GloboNews.


Pacheco tem apoio do atual presidente da casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). É apoiado tanto pelo presidente Jair Bolsonaro quanto por partidos de esquerda, como o PT. O senador disse que vai usar sua “mineirice” para conciliar interesses diversos caso seja eleito.


Pacheco negou que tenha prometido alguma coisa ao Palácio do Planalto para conquistar o apoio de Bolsonaro.


Eu vou ter um apelo muito grande à democracia, à convergência, à busca de consenso e ao respeito às divergências. É preciso respeitar essas divergências, e não há nenhum tipo de compromisso com pauta específica, de pautar ou de não pautar. Vamos buscar o colégio de líderes, entender o que é melhor para o país”, afirmou.


Todas as decisões do Senado serão tomadas livre e autonomamente pelos senadores e pelas senadoras, sem interferências externas.


Pacheco foi questionado sobre como via a condução da pandemia no Brasil. Declarou que a gestão Bolsonaro teve erros e acertos.


Nesse momento, a maior preocupação tem que ser identificar erros do passado, corrigi-los e buscar acertar daqui pra frente, especialmente em referência à vacina. Que a vacina chegue rapidamente para todos os brasileiros, para que a gente possa livrar o Brasil desse mal”, disse.


O senador afirmou que quer “estabelecer o que é o papel do Congresso Nacional”. Segundo ele, o poder legislativo tem de “estar junto, colaborativo porém fiscalizando as ações do Executivo para que elas sejam efetivas”.


Sobre um possível processo de impeachment de Bolsonaro, Pacheco falou que a análise da admissão cabe à Câmara dos Deputados.


Com o aumento no número de casos de covid-19 no Brasil, voltou-se a falar em reestabeler o pagamento do auxílio emergencial.


De acordo com Pacheco, o Senado precisa “buscar, o máximo possível, evitar que o teto de gastos seja rompido”. O senador, entretanto, afirmou que não se pode deixar de lado o fato de que “há um estado de necessidade no Brasil, de pessoas que precisam ser assistidas para não morrer, não passar fome”.



Ele defendeu o avanço da reforma tributária como uma das maneiras de solucionar a questão. “A própria sociedade pode aceitar um imposto como a CPMF, o imposto sobre a distribuição de dividendos, o imposto sobre grandes fortunas ou imposto digital, desde que se desonere em outra ponta”, falou.


ELEIÇÃO



A eleição para a presidência do Senado será na próxima 2ª feira (1º.fev) às 14h. A principal adversária de Pacheco é Simone Tebet (MDB-MS).


A senadora se lançou como candidata independente. Ela era candidata do MDB, maior bancada da Casa, mas desistiu porque a sigla negocia cargos na Mesa Diretora e em comissões com Davi Alcolumbre (DEM-AP), atual presidente e padrinho do candidato Pacheco.


A disputa favorece o mineiro. Virtualmente, já conseguiu 48 votos de apoios declarados até agora. Para ser eleito é necessário ao menos 41 votos. Tebet começou sua campanha depois e angariou 29 senadores apoiando sua candidatura. Seria a 1ª mulher a presidir o Senado na história.


O voto, entretanto, é secreto, o que permite dissidências nas bancadas que já anunciaram apoios a um ou outro candidato. O PP por exemplo, que apoiou Pacheco, tem o senador Esperidião Amin (PP-SC) que declarou voto em Tebet.


Além do próprio MDB, que ainda tem 2 votos a serem conquistados pela senadora, o Podemos também não conseguiu entregar os seus 9 votos a Tebet. Romário (Podemos-RJ) e Marcos do Val (Podemos-ES) devem ir com Pacheco. Já o PSDB se dividiu e a maioria ficou ao lado do mineiro. O Poder360 mostrou que nem todos da bancada do MDB devem votar na senadora.

 Poder360

Tecnologia do Blogger.