Princesa Latifa, de Dubai, diz em vídeo que foi sequestrada pelo próprio pai

A princesa Latifa al Maktoum, filha de Mohammed bin Rashid al Maktoum, mandatário de Dubai, acusou o pai de mantê-la refém desde que tentou fugir, em 2018. A acusação foi feita em vídeos secretos enviados para seus amigos.

Em 2018, Latifa almoçou com a enviada especial de direitos humanos da ONU, Mary Robinson, quem disse que foi
Em 2018, Latifa almoçou com a enviada especial de direitos humanos da ONU, Mary Robinson, quem disse que foi

Ela teria sido mantida em cativeiro sozinha, sem acesso a assistência médica ou jurídica em um edifício com janelas e portas fechadas com grades e protegido por policiais.

Nas gravações, obtidas pela BBC, a princesa disse que guardas a drogaram quando ela fugiu em um barco e a mandaram de volta já detida.

Quando foi capturada, Latifa estava em território indiano. Depois de ser sedada, já desacordada, foi levada para um avião particular. Só acordou quando a aeronave pousou em Dubai.

Os vídeos teriam sido gravados por vários meses no banheiro, pois era a única porta que a princesa podia trancar.

A sequestro foi revelado à BBC por uma amiga da princesa, Tiina Jauhiainen, um primo, Marcus Essabri e o ativista David Haugh, que estão por trás da campanha Latifa Livre.

Eles afirmaram que tomaram a decisão de filtrar as mensagens porque estão preocupados com a segurança da princesa. Latifa parou de enviar os vídeos e, por isso, seus amigos pediram à ONU (Organização das Nações Unidas) que intervenha.

Dubai e os Emirados Árabes Unidos disseram anteriormente que a princesa está segura sob os cuidados da família.

A ex-enviada especial de direitos humanos da ONU Mary Robinson, que descreveu Latifa como “uma jovem problemática” depois de conhecê-la em 2018, agora diz que foi “enganada” pela família da princesa.

Robinson juntou-se ao apelo internacional para esclarecer o status e a localização atual de Latifa.

“Ainda estou muito preocupado com Latifa. As coisas mudaram. Acho que deveria ser investigado”, declarou Robinson.

Mohammed bin Rashid al Maktoum, pai de Latifa, é um dos chefes de Estado mais ricos do mundo, representante de Dubai e vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos.

Al Maktoum tem uma empresa de cavalos de corrida e frequentemente participa de grandes eventos, como o Royal Ascot, no Reino Unido, onde foi fotografado com a Rainha Elizabeth II.

Tentativa de fuga

Latifa, agora com 35 anos, já tinha tentado fugir quando tinha 16 anos. Depois de contatar o empresário francês Herve Jaubert, em 2011, um novo plano foi colocado em ação. Tiina Jauhiainen, uma das pessoas que revelaram os vídeos, também ajudou.

Em 24 de fevereiro de 2018, Latifa e Jauhiainen pegaram um barco inflável e jet ski e entraram em águas internacionais, onde Jaubert esperou em um iate de bandeira norte-americana.

No entanto, 8 dias depois, na Índia, o barco foi abordado por guardas. Jauhiainen afirmou que granadas de fumaça foram lançadas para forçá-los a sair de seu esconderijo no banheiro e eles foram mantidos sob a mira de uma arma.

Latifa foi devolvida a Dubai e não teve mais notícias de Jauhiainen.

Jauhiainen e a tripulação do navio foram libertados após duas semanas de detenção em Dubai. O governo indiano nunca falou sobre seu papel nos fatos.

Antes de sua tentativa de fuga em 2018, Latifa gravou outro vídeo que foi postado no YouTube depois de sua captura.

Se você está assistindo isso, não significa uma coisa boa. Significa que estou morta ou em uma situação muito, muito ruim”, disse ela.

Os Emirados Árabes Unidos ficaram sob intensa pressão. Foi então que Mary Robinson, ex-Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, viajou para Dubai em dezembro de 2018 e almoçou com Latifa.

Robinson afirmou que foi informada que a princesa teria transtorno bipolar. Disse que não perguntou a Latifa sobre sua situação porque não queria “aumentar o trauma” da princesa. Latifa nunca foi diagnosticada com transtorno bipolar.

Nove dias depois do almoço, o Ministério das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos publicou fotos de Robinson com Latifa, apresentadas como prova de que a princesa estava segura e bem.

“Eu me senti enganada quando as fotografias foram publicadas. Foi uma surpresa total. Eu fiquei absolutamente confusa”, disse Robinson.

No ano passado, depois que a madrasta de Latifa fugiu para o Reino Unido, a Suprema Corte da Inglaterra emitiu uma série de ordens de investigação sobre o retorno de Latifa a Dubai, bem como o sequestro de sua irmã mais velha, a princesa Shamsa, que também havia tentado escapar, em 2000.

O Supremo afirmou que al Maktoum “continua a manter um regime no qual essas duas jovens são privadas de liberdade”.


Tecnologia do Blogger.