Como Lázaro morreu? Veja o que se sabe e o que falta esclarecer



A força-tarefa com 270 policiais fez buscas por Lázaro Barbosa de Souza, de 32 anos, suspeito de matar uma família em Ceilândia, no DF, por 20 dias até conseguir capturá-lo. O homem acabou baleado e morreu durante a operação, em Águas Lindas de Goiás, nesta segunda-feira (28).



Ao longo das buscas, a força-tarefa monitorou as cidades de Cocalzinho de Goiás e Águas Lindas de Goiás, onde Lázaro teria passado por dentro de matas.


Foram usados helicópteros, dezenas de viaturas, cães farejadores, drones com visão térmica, rádios especiais com alcance de 30km e antenas amplificadoras de sinal para encontrar o fugitivo.


Apesar de todo aparato tecnológico, o suspeito conhecia bem as matas da região, onde nasceu e foi criado. Ele era considerado "mateiro", segundo o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, o que dificulta as buscas.


Veja o que se sabe e o que ainda falta saber sobre as buscas e a investigação:


Quando ele foi capturado e como morreu?


Quando e como ele fugiu?


Por onde ele fugiu?


Como descobriram que ele matou a família no DF?


Onde ele foi visto em Cocalzinho de Goiás?


O que diz a polícia sobre a caçada?


O que dizem as pessoas que teriam visto Lázaro cara a cara?


Quais equipamentos a polícia usa nas buscas?


Por que demorou até Lázaro ser encontrado?


Por quantos crimes ele é investigado?


Quantas pessoas foram presas na operação e quem são elas?


Qual a relação dos suspeitos com o Lázaro?


O que eles alegam?


Quanto custa cada dia da força-tarefa?


Como o fazendeiro teria ajudado a esconder Lázaro?


Veja a cronologia da fuga


1. Quando ele foi capturado e como morreu?


Lázaro Barbosa morreu nesta segunda-feira (28) após ser capturado pela polícia, em Águas Lindas de Goiás. Ele foi baleado em troca de tiros com policiais, segundo a polícia. Até a última atualização desta reportagem, não haviam sido divulgados detalhes sobre como foi o confronto e como ocorreu a morte dele.


O vídeo abaixo mostra Lázaro sendo colocado numa ambulância por policiais, que comemoram a prisão dele. Não é possível identificar se ele estava vivo ou morto no momento da filmagem.


2. Quando e como ele fugiu?


Lázaro é suspeito de invadir uma chácara no Incra 9, em Ceilândia (DF), em 9 de junho, matar a tiros e a facadas um casal e dois filhos, além de roubar itens do local. Ele teria rendido o caseiro, o dono da propriedade e a filha dele.


Após o crime, empreendeu fuga por matas e rodovias, furtou carros, os incendiou e os deixou abandonados no meio do caminho.


3. Por onde ele fugiu?


O suspeito fugiu inicialmente por matas fechadas e cruzou a divisa entre o DF e Goiás. Depois furtou carro, andou pela rodovia BR-070, onde o incendiou e abandonou na pista.


Ele chegou a Cocalzinho em 11 de junho, segundo a polícia. Entrou no mato e tem fugido por córregos e rio, principalmente, para não deixar rastros.


4. Como descobriram que ele matou a família no DF?


Após os crimes contra a família no DF, Lázaro teria invadido uma outra chácara, no Incra 9, na mesma região. Ele ficou por quatro horas no local, fez as pessoas reféns, roubou o veículo e fugiu para Goiás. Depois dessa invasão, a polícia do DF passou a acreditar que ele fosse o principal suspeito de matar as quatro pessoas da mesma família.


5. Onde ele foi visto em Cocalzinho de Goiás?


Policiais e moradores relataram que viram Lázaro passar por várias fazendas da cidade, nos distritos de Girassol e Edilândia. Ele também foi reconhecido por pessoas que foram feitas reféns por ele.


6. O que diz a polícia sobre a caçada?


O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, havia dito que Lázaro é "mateiro" e conhecia muito bem a região de Cocalzinho. Em algumas ocasiões, as equipes haviam dito ter chegado perto de pegá-lo, mas ele fugiu pela mata.


"Ele, além de ser um psicopata, é da região. É o que nós chamamos de 'mateiro', acostumado a se emburacar no mato. Ele deve ter outra motivação psicótica. Está muito focado em seguir na trajetória criminosa", disse Miranda.



7. O que dizem as pessoas que teriam visto Lázaro cara a cara?


Uma moradora de Cocalzinho de Goiás, que preferiu não ter a identidade divulgada, contou que atendeu Lázaro Barbosa na padaria em que trabalha, no dia 26 de junho.


"Foi muito rápido e ele estava nervoso. Ele está bem diferente, está mais magro, está mais moreno, o cabelo está um pouco grande e 'lambido' para trás", disse.





Uma parente de uma família feita refém por Lázaro contou que eles viveram momento de desespero dentro de uma mata. Eles foram resgatados pela polícia, que trocou tiros com o suspeito.


"Ele falou que ia matar os três. Quando viu o helicóptero deitou eles no chão e os tapou com folhas. Quando a polícia chegou por terra, ele atirou contra a polícia", contou a familiar dos reféns.


8. Quais equipamentos a polícia usou nas buscas?


Foram usados helicópteros, dezenas de viaturas, cães farejadores, drones com visão térmica, rádios especiais com alcance de 30km e antenas amplificadoras de sinal para encontrar o fugitivo.


9. Por que demorou até Lázaro ser encontrado?


De acordo com Rodney Miranda, o fugitivo conseguiu se esconder muito bem em matas, córregos, rios e grutas da região, o que dificultou o trabalho de buscas.


A polícia prendeu um fazendeiro e um caseiro suspeitos de auxiliarem a fuga de Lázaro dando suporte para ele comer, dormir e descansar. O caseiro recebeu liberdade provisória. Ele contou detalhes de como era a rotina de Lázaro na chácara.


10. Por quantos crimes ele é investigado?


Ao todo, ele é suspeito de pelo menos nove crimes: roubo, estupro, sequestro, tentativa de homicídio, homicídio, furto, porte ilegal de arma de fogo, tentativa de latrocínio e invasão.


Lázaro foi condenado por duplo homicídio na Bahia. É suspeito de crimes de roubo, estupro e porte ilegal de arma de fogo no DF e em chácaras de Goiás.





11. Quantas pessoas foram presas na operação e quem são elas?



A operação prendeu duas pessoas até 26 de junho. Um caseiro e um fazendeiro suspeitos de ajudarem a fuga de Lázaro Barbosa. Por último, foi preso o próprio Lázaro, que morreu depois de ser baleado em troca de tiros com policiais.


12. Qual a ligação dos suspeitos presos com o Lázaro?


A investigação apura o grau de relação de Lázaro com os dois presos.


13. O que eles alegam?


Segundo depoimento do caseiro, o patrão dele era amigo da família do fugitivo. Como ele era funcionário da fazenda, apenas cuidava do local.


A defesa do fazendeiro negou que o cliente tenha abrigado Lázaro e disse que as declarações do caseiro não são verdadeiras.


14. Quanto custa cada dia da força-tarefa?


O valor ainda não foi divulgado oficialmente pelo Secretário de Segurança Pública, que coordena os trabalhos com as polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal.



Estima-se que o custo de uma hora de voo de um helicóptero seja de R$ 5 mil, de acordo com pilotos consultados pela TV Anhanguera. A força-tarefa dispõe de três aeronaves.


15. Como o fazendeiro teria ajudado a esconder Lázaro?


Alimentação


Lázaro tomava café da manhã, almoçava e jantava na fazenda. O caseiro disse no depoimento, na quinta-feira (24), que percebeu a falta de leite na geladeira, copos sujos na pia e pães na mesa, sendo que nem ele nem o fazendeiro dormiam no local. Ele disse que ouviu o chefe chamar por Lázaro no horário de almoço, informando que a comida estava pronta, e que reparou quantidades maiores de refeição sendo preparadas.


"Vem almoçar Lázaro", gritava o fazendeiro em direção à mata, segundo o caseiro.


Á noite, antes de ir embora, o patrão gritava novamente em direção ao mato: "A porta vai ficar aberta", conforme o depoimento.


Segundo o caseiro, Lázaro Barbosa dormia na fazenda havia pelo menos cinco dias.


Esconderijo em depósito


O fugitivo usava um depósito da casa para se esconder quando a polícia passava pela região. Nesse local, ficavam equipamentos e uma máquina de cortar grama.


Na ocasião em que policiais entraram na fazenda e prenderam os dois, o caseiro relatou que Lázaro viu a chegada da equipe e correu para este depósito.


O caseiro cuidava das vacas e voltou para o interior da casa. Logo, o fugitivo fez um sinal com as mãos para ele sair da residência. Ao olhar para fora, viu equipes da força-tarefa na cerca de arame. Ele não avisou que Lázaro estava escondido no depósito por ter sido ameaçado de morte.


Pernoites


Segundo o depoimento do caseiro, Lázaro dormiu na fazenda entre os dias 18 e 23 de junho. Ele contou que percebeu que o colchão de um dos quartos sempre estava fora do lugar original todos dias.


Ele ressaltou que nem ele nem o patrão dormem na chácara. Uma outra ordem dada pelo chefe era de deixar as portas destrancadas quando fosse embora.


Proteção contra a polícia


O fazendeiro teria atuado também a favor de Lázaro quando impediu a entrada de policiais da força-tarefa para vasculharem a área. Na tarde do dia 23 de junho, uma equipe do Comando de Operação de Divisas da Polícia Militar (COD) foi proibida de entrar na fazenda pelo proprietário.


Em relação à proibição da entrada de militares em sua propriedade, o advogado alega que o fazendeiro proibiu porque os policiais saem e deixam as portas abertas, o que provoca a saída de animais do local.


O caseiro disse que recebeu ordens de não deixar a polícia entrar no terreno desde o dia 18 de junho. Ele trabalhava na fazenda havia 21 dias.


Um major do COD contou em depoimento que a equipe desautorizada a entrar foi tratada com desrespeito pelo fazendeiro, que também alegou que a polícia não sabia trabalhar.


No dia 24 de junho, uma outra equipe voltou ao local e encontrou uma porteira trancada com um cadeado. Passaram por debaixo dela. Ao caminhar dentro do terreno, encontraram outra porteira fechada com cadeado e passaram novamente por ela.



Relação de proximidade


O depoimento do major do COD relata ainda que o caseiro revelou uma relação de proximidade entre o fazendeiro e a família de Lázaro. O patrão teria prestado auxílio financeiro aos familiares quando o irmão de Lázaro morreu.



A mãe e o tio do fugitivo já trabalharam para o fazendeiro. No dia em que a polícia conseguiu entrar na casa, um militar viu o nome do tio de Lázaro escrito com tinta numa parede da residência.


Fonte: G1

Tecnologia do Blogger.