Por meio de nota, a prefeitura de Quirinópolis informou que abrirá uma sindicância para investigar a conduta do guarda. “O homem só foi abordado inicialmente por estar em uso de peças íntimas em local público, o que poderia configurar ultraje público ao pudor. Sobre o vídeo e a conduta do servidor, ao tomar conhecimento da situação, o município abrirá uma sindicância, adotando todas as providências legais cabíveis, entendendo a função da Guarda Civil Municipal de proteção do patrimônio dos órgãos do poder público e, sobretudo, a dignidade dos munícipes”, diz a nota.

Fonte: Metrópoles