Padre é investigado por roubo de artigos religiosos de igreja no RN



Um padre do município de Currais Novos, na Região Seridó do Rio Grande do Norte, está sendo investigado pela Polícia Civil como suspeito de ter roubado artigos religiosos da Capela Santa Tereza D'Ávila, no distrito da Mina Brejuí, onde atuava.


Na quinta-feira (12), policiais civis cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do padre. Em nota, a Polícia Civil disse que "tramita perante a Delegacia Municipal de Currais Novos inquérito policial que apura a subtração de objetos sacros da Igreja Católica local".


"Diversas diligências referentes ao caso foram realizadas, inclusive com a recuperação de parte dos objetos. A investigação está sob sigilo e informações sobre autoria e outras circunstâncias do fato não poderão ser repassadas até a conclusão do procedimento policial, a fim de garantir o êxito dos trabalhos", concluiu a nota.


Por conta da investigação, a Diocese de Humaitá, no Amazonas, onde o padre foi ordenado, anunciou na sexta (13) o afastamento dele das funções.


O decreto de proibição de exercício de ministério é considerado universal e proíbe que ele atue no Rio Grande do Norte ou em qualquer lugar do mundo.


O documento cita que "no intuito de evitar escândalo" decreta a medida cautelar de proibir "o exercício de suas funções ministeriais por tempo indeterminado".


O decreto justifica a proibição "uma vez que se tornou pública pelas redes sociais a notícia de acusação de furto, considerando que a Polícia Civil fez a apreensão de artigos religiosos furtados de igrejas onde reside o referido padre, o que não convém à dignidade clerical".


Dessa forma, o padre fica proibido de exercer serviços sacramentais e administrativos até o fim das investigações. "Conforme o resultado da investigação policial, serão encaminhados os procedimentos canônicos necessários".


No sábado (14), a Diocese de Caicó, responsável pela região onde o padre atua, revogou o Uso de Ordens, considerando a proibição para ele exercer a função, publicada pela Diocese de Humaitá, e "o inquérito policial para a investigação do presbítero após a busca e apreensão realizada pela Polícia Civil em sua residência em 12 de agosto".

Tecnologia do Blogger.